Skip to main content
(Lista dos Vencedores)
 
Linha 261: Linha 261:
 
| [[2019/20]]||||FC Porto||||FC Porto||Benfica||Sp. Braga
 
| [[2019/20]]||||FC Porto||||FC Porto||Benfica||Sp. Braga
 
|-
 
|-
| [[2020/21]]||||||||||FC Porto||
+
| [[2020/21]]||||||||||FC Porto||[[Sporting Clube de Portugal|Sporting]]
 
|-
 
|-
 
|}
 
|}

Edição atual desde as 00h56min de 24 de janeiro de 2021

Fpf.jpg

A União Portuguesa de Futebol

Os primeiros torneios de Futebol oficialmente organizados em Portugal remontam ao inicio do século XX, tendo-se realizado em Lisboa, mas a modalidade rapidamente se expandiu e foram surgindo associações regionais por todo o País, que iam organizando os seus campeonatos.

A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) teve origem na União Portuguesa de Futebol (UPF), que foi fundada em 1914, tendo inicialmente como grande objectivo criar oficialmente a Seleção Nacional, mas não demorou muito tempo até surgir a ideia de organizar uma competição de âmbito nacional.

Os Campeonatos de Portugal

Em 1922 realizou-se o primeiro campeonato de futebol organizado pela UPF. Os vencedores desta competição que ficou conhecida como os Campeonatos de Portugal, eram considerados os campeões da modalidade no nosso País, conforme é referido no site oficial da FPF[1].

A primeira edição da prova cingiu-se ao confronto entre os Campeões do Porto e de Lisboa e o Sporting esteve presente nesse momento histórico do futebol português, mas foi derrotado pelo FC Porto. Daí para a frente a participação abriu-se aos Campeões dos outros Distritos do País disputando-se no sistema de eliminatórias, e a partir da temporada 1926/27 as Associações principais passaram a ter mais do que um representante.

Os Campeonatos de Portugal disputaram-se até à época 1937/38 e ao fim das 17 edições o Sporting liderava o ranking da competição com 14 presenças, 10 finais, 4 títulos, 73 jogos, 49 vitórias, 7 empates, 17 derrotas, 249 golos marcados e 105 sofridos, números reveladores de que o Clube nessa altura já tinha consolidado definitivamente um lugar entre os melhores de Portugal.

Os Campeonatos das Ligas

Em 1934 iniciaram-se os Campeonatos das Ligas, uma prova disputada no sistema de todos contra todos a duas voltas, à semelhança do que já acontecia há vários anos na Inglaterra e mais recentemente em França e na Espanha. Estes campeonatos realizaram-se a título experimental durante quatro temporadas, mantendo-se os Campeonatos de Portugal como a competição principal que encerrava a época nos moldes do costume.

Nessa altura pensava-se que esta novidade seria importante para melhorar a competitividade do futebol português, principalmente depois de alguns maus resultados da Selecção Nacional, mas receava-se que a iniciativa não fosse financeiramente viável, o que iria depender da adesão do público e do empenho dos clubes e, para além disso temia-se pela capacidade fisica dos jogadores para enfrentarem épocas mais longas e desgastantes, pois não eram profissionais.

Os Campeonatos das Ligas compreendiam duas divisões fechadas, tendo a principal oito Clubes, que eram apurados nos Campeonatos Regionais de Lisboa (4), Porto (2), Coimbra e Setúbal (1 cada). Os campeões dos restantes distritos juntavam-se a outros clubes das Associações principais, formando a 2ª Liga que se dividia geograficamente em 4 zonas.

A época terminava com a competição mais importante: os Campeonatos de Portugal, onde participavam os 8 clubes da 1ª Liga e os 6 primeiros da 2ª Liga. O representante da Madeira entrava nos quartos de final.

Os Campeonatos Nacionais e a Taça de Portugal

No geral a iniciativa foi um sucesso pelo que em 1938 a FPF procedeu a uma reforma nos seus estatutos e regulamentos, instituindo a partir da época de 1938/39 os Campeonatos Nacionais e mantendo uma competição no sistema de eliminatórias, agora denominada Taça de Portugal, enquanto os Campeonatos de Portugal passavam ao baú das memórias e o Campeonato Nacional assumia a condição de principal prova do calendário do Futebol português.

Em 1944 por altura da inauguração do Estádio Nacional, a FPF instituiu a Taça Império que foi disputada entre os vencedores do Campeonato Nacional e da Taça de Portugal dessa época. A ideia era que essa passasse a ser uma competição que encerrasse a temporada, mas o projecto não vingou, principalmente devido ao problema da falta de datas, que chegou a motivar a não realização da Taça de Portugal.

A Supertaça e a Taça da Liga

35 anos mais tarde a FPF retomou a ideia e criou a Supertaça Cândido de Oliveira, uma competição com o mesmo espírito, mas que passou a disputar-se geralmente no inicio das épocas, pondo em confronto os vencedores das duas principais competições da temporada anterior.

Depois da organização dos campeonatos profissionais ter sido entregue à Liga Portuguesa de Futebol (LPF), esta resolveu criar uma nova competição a que deu o nome de Taça da Liga, uma prova com um formato misto, cujo interesse foi sempre alvo de alguma discussão, pelo que a mesma acabou por ser relegada para um plano secundário.

As Taças O Século

No final da temporada de 1947/48, o Sporting ficou na posse da Taça Monumental O Século, um troféu particular que tinha sido instituído por aquele jornal em 1938, com um regulamento que determinava que o Clube que ganhasse 3 campeonatos consecutivos ou 5 intercalados, ficaria com aquela valiosa Taça, que em caso de nenhum clube atingir esses objectivos ao fim de 10 épocas, seria entregue definitivamente ao Campeão da última das temporadas em que o mesmo tinha estado em disputa, o que efectivamente se verificou.

Nessa altura o Sporting somava 4 títulos, contra 3 do Benfica, 2 do FC Porto e 1 do Belenenses, pelo que até moralmente o troféu estava bem entregue, mas estranhamente o Benfica contestou a atribuição da Taça aos Leões, tentando adiar a entrega do troféu para o final da época seguinte, o que de resto a verificar-se de nada lhe serviria, pois o Sporting não só voltou a ser Campeão em 1948/49, como nessa época completou o tri-campeonato e conquistou o título de Campeão Nacional pela 5ª vez, ou seja, passou a reunir todas e mais algumas das premissas necessárias para deter aquele troféu, que viria a conquistar novamente, quando em 1953 foi tri-Campeão Nacional de Futebol pela 2ª vez. Entretanto promotor da iniciativa não voltou a repeti-la, pelo que o Sporting ficou detentor de dois troféus que não sendo oficiais, são únicos, não só pelo seu valor, como pelo seu simbolismo.

A contabilidade criativa

Foi também nessa altura que a imprensa, com o jornal A Bola à cabeça, resolveu fazer uma contabilidade dos títulos nacionais de futebol, que fosse mais simpática para o Benfica, que tinha ganho 3 edições dos Campeonatos das Ligas, que tiveram o FC Porto como o seu primeiro vencedor, ao mesmo tempo que se misturavam os Campeonatos de Portugal com a Taça de Portugal.

Assim nessa contabilidade criativa, os Campeonatos das Ligas eram considerados como títulos nacionais em detrimento dos Campeonatos de Portugal, oficialmente reconhecidos pela FPF como a prova máxima do calendário nacional até 1938, com o argumento de que os primeiros tinham o mesmo formato dos Campeonatos Nacionais posteriormente instituídos. Ou seja, seguindo este singular critério, se mais tarde o formato do Campeonato fosse alterado, poder-se-ia riscar do mapa tudo o que acontecera até aí, para se adoptar como campeões os clubes que tivessem ganho eventuais competições anteriormente disputadas segundo o novo formato.

De uma forma ou de outra a mensagem foi passando e, com o decorrer do tempo a propaganda foi levando a água ao seu moinho, pelo que os Campeonatos de Portugal foram apagados da generalidade das listas de Campeões do Futebol português que se iam publicando, para que se pudessem inscrever os tais 3 títulos do Benfica, invertendo as contas numa altura em que elas davam alguma vantagem ao Sporting.

Como curiosidade há que referir que o jornal Os Sports de 6 de Janeiro de 1939, publicava um artigo sobre a competição que estava prestes a iniciar-se, com o sugestivo título de "Campeonato Nacional 1938/39 - o primeiro ou o décimo oitavo?" Ou seja, a hipótese de ser o quinto, como é óbvio nem era colocada.

A verdadeira contabilidade

70 anos depois já poucos se lembram dos Campeonatos de Portugal e os tais títulos das ligas entram geralmente nas contas como convém, mas os factos são indesmentíveis e uma falsidade mil vezes repetida jamais se tornará numa realidade.

O Sporting Clube de Portugal nunca quis ter mais títulos do que aqueles que realmente ganhou e assim pode proclamar sem que ninguém o possa contrariar, que em termos de competições oficiais de futebol de âmbito nacional e na categoria principal, é detentor de 4 Campeonatos de Portugal, 18 Campeonatos Nacionais, 16 Taças de Portugal, 8 Supertaças e 1 Taça Império.

To-mane (discussão) 16h39min de 23 de março de 2016 (GMT)

Lista dos Vencedores

Época Campeonato de Portugal Campeonato Nacional Campeonato da Liga Taça de Portugal Supertaça Taça da Liga
1921/22 FC Porto
1922/23 Sporting
1923/24 Olhanense
1924/25 FC Porto
1925/26 Marítimo
1926/27 Belenenses
1927/28 Carcavelinhos
1928/29 Belenenses
1929/30 Benfica
1930/31 Benfica
1931/32 FC Porto
1932/33 Belenenses
1933/34 Sporting
1934/35 Benfica FC Porto
1935/36 Sporting Benfica
1936/37 FC Porto Benfica
1937/38 Sporting Benfica
1938/39 FC Porto Académica
1939/40 FC Porto Benfica
1940/41 Sporting Sporting
1941/42 Benfica Belenenses
1942/43 Benfica Benfica
1943/44 Sporting Benfica Sporting (1)
1944/45 Benfica Sporting
1945/46 Belenenses Sporting
1946/47 Sporting -
1947/48 Sporting Sporting
1948/49 Sporting Benfica
1949/50 Benfica -
1950/51 Sporting Benfica
1951/52 Sporting Benfica
1952/53 Sporting Benfica
1953/54 Sporting Sporting
1954/55 Benfica Benfica
1955/56 FC Porto FC Porto
1956/57 Benfica Benfica
1957/58 Sporting FC Porto
1958/59 FC Porto Benfica
1959/60 Benfica Belenenses
1960/61 Benfica Leixões
1961/62 Sporting Benfica
1962/63 Benfica Sporting
1963/64 Benfica Benfica
1964/65 Benfica Vit. Setúbal
1965/66 Sporting Sp. Braga
1966/67 Benfica Vit. Setúbal
1967/68 Benfica FC Porto
1968/69 Benfica Benfica
1969/70 Sporting Benfica
1970/71 Benfica Sporting
1971/72 Benfica Benfica
1972/73 Benfica Sporting
1973/74 Sporting Sporting
1974/75 Benfica Boavista
1975/76 Benfica Boavista
1976/77 Benfica FC Porto
1977/78 FC Porto Sporting
1978/79 FC Porto Boavista
1979/80 Sporting Benfica Boavista
1980/81 Benfica Benfica Benfica
1981/82 Sporting Sporting FC Porto
1982/83 Benfica Benfica Sporting
1983/84 Benfica FC Porto FC Porto
1984/85 FC Porto Benfica FC Porto
1985/86 FC Porto Benfica Benfica
1986/87 Benfica Benfica FC Porto
1987/88 FC Porto FC Porto Sporting
1988/89 Benfica Belenenses Vit. Guimarães
1989/90 FC Porto Est. Amadora Benfica
1990/91 Benfica FC Porto FC Porto
1991/92 FC Porto Boavista FC Porto
1992/93 FC Porto Benfica Boavista
1993/94 Benfica FC Porto FC Porto
1994/95 FC Porto Sporting FC Porto
1995/96 FC Porto Benfica Sporting
1996/97 FC Porto Boavista FC Porto
1997/98 FC Porto FC Porto Boavista
1998/99 FC Porto Beira Mar FC Porto
1999/00 Sporting FC Porto FC Porto
2000/01 Boavista FC Porto Sporting
2001/02 Sporting Sporting FC Porto
2002/03 FC Porto FC Porto Sporting
2003/04 FC Porto Benfica FC Porto
2004/05 Benfica Vit. Setúbal FC Porto
2005/06 FC Porto FC Porto Benfica
2006/07 FC Porto Sporting FC Porto
2007/08 FC Porto Sporting Sporting Vit. Setúbal
2008/09 FC Porto FC Porto Sporting Benfica
2009/10 Benfica FC Porto FC Porto Benfica
2010/11 FC Porto FC Porto FC Porto Benfica
2011/12 FC Porto Académica FC Porto Benfica
2012/13 FC Porto Vit. Guimarães FC Porto Sp. Braga
2013/14 Benfica Benfica FC Porto Benfica
2014/15 Benfica Sporting Benfica Benfica
2015/16 Benfica Sp. Braga Sporting Benfica
2016/17 Benfica Benfica Benfica Moreirense
2017/18 FC Porto D. Aves Benfica Sporting
2018/19 Benfica Sporting FC Porto Sporting
2019/20 FC Porto FC Porto Benfica Sp. Braga
2020/21 FC Porto Sporting
  • (1) Taça Império

Referências

  1. http://www.fpf.pt/pt/Institucional/Sobre-a-FPF/Hist%C3%B3ria-FPF