Skip to main content
 
Linha 74: Linha 74:
 
Um ano depois transferiu-se para o Oviedo numa altura em que se chegou mesmo a falar no interesse do Real Madrid, do Barcelona e até de clubes italianos.
 
Um ano depois transferiu-se para o Oviedo numa altura em que se chegou mesmo a falar no interesse do Real Madrid, do Barcelona e até de clubes italianos.
  
O seu regresso a Alvalade esteve várias vezes em cima da mesa, principalmente depois do Sporting ter perdido um campeonato num [[Uma tarde negra de Octávio de Sá|jogo]] onde [[Octávio de Sá]] foi particularmente infeliz. Nessa altura chegou mesmo a vir a Lisboa e a disputar [[1960-05-01 SPORTING – Ferroviária|um jogo particular]] na baliza dos Leões, mas não houve acordo, nem com o Oviedo que exigia 1,2 milhões de pesetas para o libertar, nem com o jogador que terá pedido 100 contos por ano e uma festa de despedida e assim a transferência gorou-se. Pouco depois esteve para ir para o Salgueiros, mas suspeitando que o Benfica estaria por trás da história o Sporting fez prevalecer os seus direitos e assim Carlos Gomes ficou no Oviedo.
+
O seu regresso a Alvalade esteve várias vezes em cima da mesa, principalmente depois do Sporting ter perdido um campeonato num [[Uma tarde negra de Octávio de Sá|jogo]] onde [[Octávio de Sá]] foi particularmente infeliz. Nessa altura chegou mesmo a vir a Lisboa e a disputar [[1960-05-01 SPORTING – Ferroviária|um jogo particular]] na baliza dos Leões, mas não houve acordo, nem com o Oviedo que exigia 1,2 milhões de pesetas para o libertar, nem com o jogador que terá pedido 100 contos por ano e uma festa de despedida e assim a transferência gorou-se. Pouco depois esteve para ir para o Salgueiros, mas suspeitando que o Benfica estaria por de trás da história, o Sporting fez prevalecer os seus direitos e assim Carlos Gomes ficou no Oviedo.
  
 
[[Image:Carlos Gomes_1.jpg|thumb|right| <center>Com [[Morais]] e [[Hilário]]</center>]]
 
[[Image:Carlos Gomes_1.jpg|thumb|right| <center>Com [[Morais]] e [[Hilário]]</center>]]

Edição atual desde as 18h57min de 26 de março de 2020

Dados de Carlos Gomes Cgomes5.jpg
Nome Carlos António do Carmo Costa Gomes
Nascimento 18 de Janeiro de 1932
Naturalidade Barreiro - Portugal
Posição Futebolista (guarda-redes)
Escalão Época Clube Jogos Golos Titulos Internacionalizações
JUV JUN ESP BB AA Golos
2ª Divisão 1949/50 Barreirense
1ª Divisão 1950/51 SPORTING 7 -7 Campeonato Nacional
1ª Divisão 1951/52 SPORTING 34 -48 Campeonato Nacional
1ª Divisão 1952/53 SPORTING 31 -30 Campeonato Nacional
1ª Divisão 1953/54 SPORTING 34 -40 Campeonato Nacional
Taça de Portugal
3 -1
1ª Divisão 1954/55 SPORTING 30 -32 3 ?
1ª Divisão 1955/56 SPORTING 28 -36 3 ?
1ª Divisão 1956/57 SPORTING 29 -32 6 -10
1ª Divisão 1957/58 SPORTING 27 -20 Campeonato Nacional 3 -6
1ª Divisão 1958/59 Granada
1ª Divisão 1959/60 Oviedo
1ª Divisão 1960/61 Oviedo
1ª Divisão 1961/62 Atlético
1962/63 Ittihad de Tanger
1963/64 Ittihad de Tanger
1964/65 Ittihad de Tanger
Total = 220 -245 18 ?

Genial e polémico são os dois adjectivos que mais vezes encontramos associados a Carlos Gomes, para muitos o melhor guarda-redes português de todos os tempos.

Um atleta de eleição ao serviço do Sporting

Oriundo do Barreirense onde se apaixonou pelo "oficio" a ver as defesas de Francisco Silva o suplente de Azevedo na Selecção Nacional, foi contratado pelo Sporting quando tinha apenas 18 anos, demonstrando logo aí toda a sua irreverência, ao contestar o facto de lhe colocarem a transferência como um dado adquirido, exigindo mais dinheiro e acabando assim por receber 50 contos em vez dos 10 que lhe propunham.

Chegado ao Sporting foi suplente do grande João Azevedo durante um ano, mas aos 19 anos a camisola número 1 já era sua. Durante os oito anos que esteve no Clube conquistou 5 Campeonatos Nacionais e uma Taça de Portugal, tornando-se numa das principais figuras da equipa.

Chegou à Selecção Nacional em 1953, estreando no Jamor em jogo particular no qual Portugal derrotou a África do Sul por 3-1, sucedendo a Barrigana na baliza portuguesa, da qual passou a ser o dono apesar da concorrência de Costa Pereira, totalizando 18 internacionalizações que poderiam ter sido muitas mais se não tivesse saído do Sporting.

Num dos seus voos lendários

Homem polémico, rebelde, irreverente e contestatário à ditadura vigente na altura em Portugal, o que lhe custou alguns dissabores, acabou por sair do Sporting em 1958 quando tinha apenas 26 anos, na sequência de novas exigências financeiras que os dirigentes leoninos, alguns deles ligados ao regime e já fartos de o aturar, não satisfizeram.

Transferiu-se então para o Granada a troco de 300 contos e um jogo a disputar no Estádio José Alvalade, assinando na altura um documento onde se comprometia a só jogar no Sporting em caso de regresso a Portugal.

Um ano depois transferiu-se para o Oviedo numa altura em que se chegou mesmo a falar no interesse do Real Madrid, do Barcelona e até de clubes italianos.

O seu regresso a Alvalade esteve várias vezes em cima da mesa, principalmente depois do Sporting ter perdido um campeonato num jogo onde Octávio de Sá foi particularmente infeliz. Nessa altura chegou mesmo a vir a Lisboa e a disputar um jogo particular na baliza dos Leões, mas não houve acordo, nem com o Oviedo que exigia 1,2 milhões de pesetas para o libertar, nem com o jogador que terá pedido 100 contos por ano e uma festa de despedida e assim a transferência gorou-se. Pouco depois esteve para ir para o Salgueiros, mas suspeitando que o Benfica estaria por de trás da história, o Sporting fez prevalecer os seus direitos e assim Carlos Gomes ficou no Oviedo.

Actuava quase sempre de preto e um dia explicou porquê a um jornalista espanhol: «Visto-me de preto, pois enquanto o futebol português estiver nas mãos dos doutores, está de luto.»

Acabou por ir para o Atlético, mas voltou a emigrar depois de se envolver numa história rocambolesca, que meteu uma condenação por alegada violação, que refutou acusando os dirigentes do Sporting de lhe terem armado uma cilada, e uma fuga para Espanha e depois para Marrocos, onde adquiriu o estatuto de exilado político e ainda jogou e brilhou em Tânger, ao ponto de ser convidado por emissários do Rei a converter-se muçulmano e a mudar de nome e nacionalidade, o que não aceitou.

Só em 1963 ficou livre do contrato com o Sporting, mas condenado a 11 anos de prisão, manteve-se pelo norte de África tornando-se treinador dois anos depois, passando também pela Argélia e pela Tunísia.

Mais tarde radicou-se em Espanha onde possuía negócios, regressando a Portugal em 1983.

Faleceu a 17 de Outubro 2005 com 73 anos.

To-mane 15h11min de 11 de Março de 2009 (WET)